No município de São José dos Campos um inovador processo de tratamento do lixo residencial, é responsável pela redução de 80% do lixo bruto produzido na cidade. Através do projeto denominado “Digestão Molecular de Resíduos Sólidos”, idealizado pelo biólogo Guilherme Moraes dos Santos e executado pela empresa local Urbam, tornou-se possível que mais da metade do volume de lixo que antes seria apenas descartado fosse adequadamente tratado e reutilizado na forma de água potável, materiais para construção civil e adubo na agricultura.

O biólogo conta que baseado na lei química de conservação das massas é possível, através da combinação do chorume (líquido que resulta da decomposição de resíduos) com o hidrogênio, transformar o que antes era inutilizável em algo proveitoso e benéfico para a sociedade.

O Processo –

O lixo residencial, acrescido de enzimas, é enviado a um reator onde é aquecido a uma temperatura média de 200°c. O que resta desse processamento passa por uma filtragem, onde ocorre a separação da parte líquida e da parte sólida. Já na porção sólida acontece uma segunda divisão entre o lixo orgânico e o reciclável, sendo que esse último pode ser vendido a cooperativas de triagem ou devolvido às indústrias que originalmente o produziu. Quanto a parte orgânica do lixo sólido, esta é transformada em uma pasta rica em nutrientes e extremamente eficiente no que diz respeito à adubagem de solos. De acordo com o idealizador do projeto, o uso da pasta em detrimento dos tradicionais adubos usados atualmente na agricultura, é muito benéfico dado que não se utiliza de recursos naturais em sua produção e exerce poucos impactos ao meio ambiente.

Além de sua utilidade no meio agrário, a pasta resultante do processo de digestão molecular também pode ser usada na confecção de tijolos para a construção civil. Esses novos tijolos ultraleves e resistentes, podem ser usados na construção de paredes, telhas e materiais para edificação. ‘’Isso porque a pasta é constituída por fibras resistentes. Misturada a pouco cimento favorece a produção de materiais resistentes. Este conceito pode permitir soluções práticas para a destinação correta dos resíduos sólidos. ’’, explica Guilherme Santos.

O processo de tratamento do lixo residencial ocorre com o uso de um tanque, onde é feito o despejo do resíduo, e um reator. O tempo de digestão do lixo depende da resistência do material a ser digerido, e a água utilizada no procedimento é advinda do chorume que é tratado. Tal medida faz com seja possível que a empresa Urbam consiga ao mesmo tempo, tratar do lixo doméstico e também do líquido resultante da decomposição do mesmo.

O Processo de Digestão Molecular de Resíduos Sólidos, atualmente opera de forma manual, sendo capaz de tratar cerca de 4% do lixo diário da cidade de São José dos Campos. O biólogo Guilherme Santos acredita que através da automatização do processo, seria possível tratar todo o lixo do município brasileiro.

Fonte: http://www.envolverde.com.br/